Rapsódias e Lobices
1ª Produção
Estreia: 01/02/2006

Carreira: Faro, Loulé, Alcoutim, Vila Real de Sto. António, Aljezur, Albufeira, Silves, Lagoa, Vila do Bispo, Lagos, Tavira, Castro Marim, Portimão, Olhão, Monchique, Setúbal, Alcobaça, São Brás de Alportel, Lisboa

O universo deste espectáculo é a própria alma humana: os medos, as manhas, a coragem, os enganos.
Num mundo de bonecos com vários tipos de manipulação, os tecidos, a espuma e o papel transformam-se em músculos, sangue e sentimento, procurando nas encruzilhadas esse Homem, sempre a caminho.
Sempre presentes, os “reis” das Fábulas: matreira Raposa e forte Lobo. Será a Raposa tão esperta como apregoa? E será o Lobo tão mau como o pintam?...
É assim que, de forma muito divertida, se debatem temas como o respeito, a liberdade e a individualidade, num espectáculo que mostra sem ajuizar, deixando o espectador tirar as suas próprias conclusões.

Classificação Etária: Maiores de 6 anos
 

Ficha Artística, Técnica e de Produção

Texto: Colectivo, a partir das Fábulas, de Jean de La Fontaine e de Esopo, e de contos populares de animais
Fábulas: «O Lobo e a Ovelha» (Missa Cantada), «O Lobo e o Grou», «Os três baptizados da Raposa», «A Raposa e o Corvo»
Encenação: Jorge Soares
Técnica: Mista
Concepção Plástica: Carla Dias
Execução de bonecos, adereços e cenários: Carla Dias e Jorge Soares
Desenho de luz: Jorge Soares
Intérpretes/Manipuladores: Carla Dias, Jorge Soares e Patrícia Amaral
Produção/Coordenação: Patrícia Amaral
Assistência Técnica e de Produção e Acolhimento: Luísa Silva
Direcção de Produção: Luís Vicente


Destaque de Imprensa

“Os viajantes do VATE saíram do autocarro mais ricos, pois a viagem que empreenderam ajudou-os a olhar para a realidade, não só de uma forma sensata, mas certamente de uma forma mais divertida”
Ana Cristina Oliveira, Jornal do Algarve, 14/09/2006

“No final, depois do aplauso estridente, dizem todos que querem mais. (…) E do sucesso da peça depende a adesão, à tarde, ao ateliê de formação que compõe o projecto e o verdadeiro desafio do VATe. É que depois de aprenderem a fazer os seus próprios fantoches, a equipa da ACTA vai deixar no ar o desafio de voltar três meses depois para assistir a uma peça criada e interpretada pelos meninos que assistiram às suas Rapsódias e Lobices. (…)”
Alexandra Carita, Expresso, 22/10/2006

“«Isto é bom, para a gente se rir», diz uma das septuagenárias, junto ao lavadouro da aldeia de Mesquita, em São Brás de Alportel.
Sentados num banco, cinco idosos ainda comentam, como se fossem crianças, o espectáculo a que acabaram de assistir. «Estas estórias são engraçadas, a gente já as conhecia, são do tempo da minha avó», recorda Maria Inácia.
Dentro do autocarro, não pararam sossegados. «Isto faz lembrar os bonecos que havia» – dizia uma senhora - referindo-se, provavelmente, aos de “Sto. Aleixo” que outrora existiam nas feiras.
Em palco, Jorge Soares – o Lobo -, Patrícia Amaral – a Raposa – e Carla Dias – a Ovelha e mais um par de bichos -, dão corpo às personagens que transportam as Fábulas de La Fontaine pelo interior do Algarve, a bordo de um autocarro. Na rectaguarda, a motorista Luísa Silva, veste também a pele de técnica de som e de luzes. (…) Numa iniciativa inédita no Algarve, estes três actores levaram a arte de representar a locais onde o teatro nunca tinha pisado.”
Mário Lino, Observatório do Algarve, 22/10/2006