Sala José Louro

Alguém lhe chamou um dia Semeador de Teatro, epíteto que em toda a extensão subscrevemos: pela disponibilidade do homem, pela atitude cativante do professor, pela sabedoria do pedagogo, pela curiosidade desmedida do estudioso do fenómeno teatral, pela humildade do criador; pela indómita militância do cidadão.

Para nós, fazedores de teatro, tê-lo connosco é contar com toda a energia crítica e positiva do Mundo: nele, uma dificuldade é pretexto para a clarificação, enquanto que uma facilidade requer a densidade que a dignificação do ser humano exige.

O José Louro é um daqueles raros seres humanos a que podemos chamar, sem risco de nos iludirmos, um Monumento Vivo que a todos dignifica.

Pois, que o espaço teatral (plateia e palco) deste outro semeador de teatro que é o VATe, se designe a partir de hoje e doravante, pelo nome do sobredito Semeador que por essa sua qualidade o inspirou e que o VATe, na sua prática, saiba dignificar tal Monumento.

Assim, em lugar adequado da sala do VATe, será aposta uma placa com o dizer "Teatro José Louro", de cujo descerramento, desejavelmente, o próprio participará, no dia da inauguração da continuidade da sua semeação.

(Decisão tomada, por unanimidade, em Assembleia Geral da ACTA, por proposta da Direcção, lavrada a 18/12/2005, a fls. 14 -15, na Acta número doze do nosso livro de Actas)


Sala